Postado em 21 de Dezembro de 2017 às 16h20

“O cheiro como critério: em direção a uma política olfatória em curadoria”

Notícias em destaque (318)
Essa obra é engajada em novas possibilidades de investigar a atividade de curadoria em seus aspectos inovadores. Entre eles, a possibilidade de abandonar estrategicamente o que o autor da obra, Gaudêncio Fidelis, chama de “regime do ocularcentrismo”, em que o olhar tornou-se o centro absoluto da construção das prerrogativas de formação canônica e, por consequência, regulador das abordagens interpretativas. Como alternativa, o autor propõe o olfato como uma via interpretativa a ser explorada, abrindo um campo de possibilidades para o engajamento de outros sentidos na realização de abordagens curatoriais para a produção artística. Ao fazê-lo, O cheiro como critério inova em sua perspectiva antiformalista do estabelecimento de plataformas curatoriais na atualidade, assim como dá sua contribuição para a produção de conhecimento original para a disciplina de História da Arte e afins.

Veja também

“Cultura e escola: processos e inclusão/exclusão de caboclos”24/10/16 A diversidade sociocultural se manifesta na vida sócio familiar, nas relações de posse da terra, na expropriação e luta pela permanecia na terra, nos modos de vida e de trabalho. As culturas que se confrontam buscam preservar suas especificidades, mas, ao mesmo tempo, se amalgamam, resultando em novas configurações. São valores que constituem as diferentes......
Raquel Campos visita a Editora Argos28/10/16 No dia 25 de outubro, a autora do livro “Entre ilustres e anônimos: a concepção de história em Machado de Assis” esteve na sede da Editora Argos em breve passagem. A autora também participou do II Colóquio......
E-BOOK20/07/18 Ebook ou e-book é uma abreviação do termo inglês eletronic book e significa livro em formato digital. É uma versão eletrônica de um livro que já foi impresso ou lançado apenas em......

Voltar para Notícias