Postado em 04 de Abril de 2019 às 15h03

“A danação do objeto: o museu no ensino de História”

Notícias em destaque (318)

“A danação do objeto: o museu no ensino de História”, de Francisco Régis Lopes Ramos, foi o primeiro volume da Coleção “História e Patrimônio”, organizada pelo Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina (CEOM) e publicada pela Argos Editora da Unochapecó. O pesquisador e educador Francisco Régis sempre desconfiou dos museus e procurou encontrar novas formas de compreender quais as reais intenções por trás das exposições e é isto que ele aborda nesta obra.

O autor busca trazer novos pensamentos e reflexões sobre como podemos aprender com os objetos, indo além da aparência das exposições museológicas. Francisco Régis liberta os objetos dos museus de seus aprisionamentos ao “passado histórico”, trazendo-os para um contexto contemporâneo, em busca do sentido da relação entre homem e objeto, memória e história, ciência e educação.

Este livro está imerso no universo dos museus e faz o leitor desbravar aquela desorganização organizada dos conteúdos expostos, entendendo o significado de suas imagens, palavras ocultas e vozes silenciadas. E em meio aos espaços onde os objetos são colocados, deslocados, arranjados e removidos o autor nos faz pensar sobre o uso que os objetos fazem de nós, os ‘espectadores’.

Sobre o autor

Francisco Régis Lopes Ramos é professor titular do Departamento de História da Universidade Federal do Ceará (UFC) e pesquisador do CNPq com bolsa produtividade (nível 2). Possui graduação em História pela UFC (1992), mestrado em Sociologia pela UFC (1996) e doutorado em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2000). Tem experiência na área de História, com ênfase em História, atuando principalmente nos seguintes temas: memória, escrita da história, tempo, literatura e museu.

Veja também

“Filosofia do como se”15/07/16 Hans Vaihinger (1852-1933) concebeu o primeiro estudo sistemático da ficção na cultura alemã, a filosofia do como se. Junto com a antropologia literária de Wolfgang Iser, “A filosofia do como se” é a contribuição alemã mais importante à teoria da ficção do século XX e defende uma concepção......
“História, Educação e Cultura Escolar”10/11/16 A cultura não é pensada apenas como expressão da sociedade. É também instituinte desta. Assim, a cultura dos trabalhadores não é apenas resultante do que produzem, mas também das lutas das......

Voltar para Notícias