Postado em 22 de Junho de 2016 às 16h21

177 anos de Machado de Assis

Notícias em destaque (318)
Primeiro presidente da Academia Brasileira de Letras, Machado de Assis (1839-1908) é um dos nomes mais importantes da literatura brasileira. Foi um autor completo, escrevendo romances, contos, poesias, peças de teatro, inúmeras críticas, crônicas e correspondências. “Helena”, “A Mão e a Luva”, “Iaiá Garcia” e “Ressurreição” são romances escritos na fase romântica do escritor.
Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em uma chácara no morro do Livramento, no Rio de Janeiro, no dia 21 de junho de 1839. Filho de Francisco José de Assis, um mulato, pintor de paredes, e de Maria Leopoldina Machado de Assis, lavadeira, de origem portuguesa da Ilha dos Açores. Ainda pequeno ficou órfão de mãe e o pai casa-se pela segunda vez. Para ajudar nas despesas da casa trabalhou vendendo doces. Frequentou por pouco tempo uma escola pública.
Segundo autor mais querido dos brasileiros, conforme a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, perdendo apenas para Monteiro Lobato, Machado de Assis morreu também no Rio de Janeiro, em 29 de setembro de 1908.
A obra “A roda de Machado de Assis”, organizada por João Cezar de Castro Rocha e publicada pela Argos Editora da Unochapecó, propõe a leitura individual de todos os romances de Machado de Assis, além de apontar hipóteses para a leitura dos contos e das crônicas. O modo como os autores deste livro pensam a crítica está explícito na forma como se aproximam dos romances, crônicas e contos sem a priori, dando potências às proposições e questões apresentadas pelo autor de Dom Casmurro e, principalmente, observando as teorias de leitura que são colocadas em cena. Os textos reunidos apostam na necessidade de revigorar os estudos machadianos pela retomada de estruturação própria dos textos do autor.

Para adquirir acesse: http://goo.gl/4rNvGk






Veja também

“Uma Obra no Mundo: diálogos com Hannah Arendt”10/02/17 Com o interesse de tornar pública a reflexão de Arendt, Benedito Nunes busca uma primeira compreensão da originalidade da filosofia, respondendo à pergunta: para que serve a política? Em seguida, os autores relacionam os assuntos secularidade, democracia das sociedades, imortalidade da história, compreensão do passado, da virtude ao valor, e características......

Voltar para Notícias