Postado em 26 de Julho de 2016 às 15h38

“Cinema, globalização e interculturalidade”

Notícias em destaque (318)
A partir da década de 1990, os processos de globalização contribuíram para cada vez problematizar um cinema pensado exclusivamente a partir de uma cultura nacional ou dualidades como Primeiro e Terceiro Mundos. O desafio que se abre cada vez mais para os estudos de cultura e arte, mas pouco assumido nos estudos de cinema no Brasil, é o de pensar novas formas de exclusão e inclusão de forma cada vez mais transnacional e em que o próprio local não se pode ser pensado de forma dissociada da presença dos meios de comunicação de massa. Assim, a obra “Cinema, globalização e interculturalidade”, organizada por Andréa França e Denilson Lopes, pretende ser uma contribuição nesta perspectiva transnacional de pensar o cinema.
A globalização intensificou as ligações entre as relações sociais no mundo. Experiências de estrangeiridade se tornaram comuns nas imagens contemporâneas, e o cinema certamente perdeu suas características de origem para mudar algumas maneiras de ver o universo da globalização.
As imagens no cinema encenam o jeito de ser e de pensar da sociedade globalizada contemporânea, em que as mudanças constantes propõem uma convivência democrática entre as diferentes culturas, possibilitando a integração entre elas sem anular sua diversidade e fomentando seu potencial criativo. Mas o cinema também está atento para as dificuldades e conflitos decorrentes desse momento histórico em que nunca houve tanta troca de pessoas, informações e ideias ao redor do planeta.
Os 15 artigos de pesquisadores e professores de diferentes instituições, nacionalidades e países exploram, sobretudo, as múltiplas conexões entre imaginário, economia, globalização, mídia de massa, cultura e memória coletiva. Sendo o cinema contemporâneo o meio eleito para alavancar estas questões, diálogos e conexões interdisciplinares, não há outro sentido neste livro senão a pergunta que o que atravessa: como falar de interculturalidade através do cinema? O que mostrar? Quem olha quem? Quem mostra o quê? O que é mostrado, o que é escondido? Onde estou no olhar do outro, dentro da mise em scène do outro? Questões de cinema que são muitas vezes retomadas.
Autores como Hamid Naficy, Rosanna Maule, Laura U. Marks, Yingjin Zhang, Leo Goldsmith, Sheldon Lu, entre outros, pela primeira vez traduzidos para o português, trazem para o leitor uma obra que discute a emergência do imaginário global através do cinema e sua relação com as dimensões culturais da globalização econômica. Dividido em blocos temáticos, este livro discute a projeção cinematográfica de imaginários nacionais e os modos de circulação destas imagens, o lugar da memória e dos afetos no cinema transcultural, a invenção de enunciados de nacionalidade através destas imagens. É, de fato, um conjunto riquíssimo de olhares, pensamentos e indagações que só o cinema contemporâneo pode provocar quando tensiona os discursos correntes da televisão e das mídias de massa.

Para adquirir acesse: http://goo.gl/KA5Rpr

Veja também

“Do mito das Musas à razão das Letras”21/12/17 Publicado em 2015 pela Argos Editora da Unochapecó, o livro reúne textos representativos e reflexivos sobre práticas literárias no período entre o século VIII a.C. ao XVIII da nossa era. De acordo com Roberto Acízelo de Souza, a proposta surgiu para suprir uma necessidade de reunir uma grande quantidade de conteúdos que em alguns casos não haviam sido......
25 de julho, Dia Nacional do Escritor25/07/16 Em 1960, a União Brasileira de Escritores, por meio de seu presidente, João Peregrino Júnior, e pelo seu vice-presidente, o escritor Jorge Amado, instituiu, em 25 de julho, o Dia Nacional do Escritor. A data tem a finalidade de mostrar a......

Voltar para Notícias