Postado em 12 de Junho de 2018 às 16h24

Novos títulos acabam de sair do forno na editora da Unochapecó

Notícias em destaque (318)

No início do mês de maio, a Editora Argos da Unochapecó lançou novos títulos. Em cada uma das obras, diferentes perspectivas do conhecimento são abordadas. Ao todo são três novos livros e um e-book, que chegaram para compor o catálogo da Editora, que já conta com mais de 300 exemplares. São eles: “E a literatura, hoje?”, de Roberto Acízelo de Souza; “Oral por escrito: a oralidade na ordem da escrita, da retórica à literatura”, por Andrea Daher; “O referente errante”, de André Cechinel; e “Valorização da comunicação acadêmica no fortalecimento da universidade”, organizado por Carolina Riviera Baretta e Alexsandro Stumpf. Todos os títulos estão disponíveis para compra no site da Argos. O e-book está à disposição para download gratuito. Normalmente, a Argos lança uma média de 12 obras por ano.

Confira um pouco sobre cada uma das obras lançadas:

“E a literatura, hoje?”, por Roberto Acízelo de Souza

A exemplo do livro “Variações sobre o mesmo tema”, figuram neste volume trabalhos representativos dos estudos especializados do autor. Homogêneos quanto à perspectiva conceitual adotada, os ensaios e as entrevistas aqui reunidos diversificam-se, contudo, quanto a seus temas e objetos. Tratam de questões literárias e sócio-político-culturais da atualidade, mas também de problemas históricos, como as concepções de romance anteriores à consolidação do formato moderno do gênero. Os textos se caracterizam tanto pela objetividade e rigor que se esperam da escrita acadêmica quanto pela clareza e fluência, o que os recomenda a leitores das mais diversas formações.

“Oral por escrito”, por Andrea Daher

Os textos que compõem este livro foram escritos a partir do ponto de vista da antropologia, da história e dos estudos literários. Todos têm em comum uma arqueologia de discursos que remove, nos materiais estudados, as camadas de sentido, permitindo com isso imaginar as modalidades históricas de seus usos sucessivos, inclusive os acadêmico-disciplinares. Assim, se vai, de certo modo, na contramão da monumentalização histórico-literária dos discursos, construída no interior de sistemas críticos que só permitem abstrair o caráter de acontecimento do oral, apagando ou tornando por vezes invisíveis suas manifestações ou os seus ‘índices’ aos olhos do leitor do presente.

“O referente errante”, por André Cechinel

A obra propõe um outro T. S. Eliot, muito diferente do paladino da reedificação da ordem pela perfeição estética. Em vez de escritor reformador, ou reformador escritor, Eliot transforma-se em um enigma. As notas que deveriam explicar e ordenar os quadros díspares de “The Waste Land” realizam o contrário: remetem a outros textos, suscitam outras questões, criam outros problemas. Sua posição torna-se de difícil localização, pois não mais podem ser tidas como um complemento exterior, uma espécie de elucidação de autoridade, nem como parte rigorosamente interna do poema. Cechinel argumenta convincentemente que Eliot, ao parecer asseverar, esquiva-se, que ao invés de pontífice é um expert em máscaras. O resultado final aproxima o autor do esteticismo, que afinal foi uma de suas influências, mas também o liga à desconstrução – o que aponta para um interessante parentesco entre o movimento literário e o filosófico. No bojo de ‘O referente errante’ está uma noção de negatividade estética como aquilo que recusa o processo de predicação da crítica através das tentativas de formação de sentido.

“Valorização da comunicação acadêmica no fortalecimento da universidade”, por Carolina Riviera Baretta e Alexsandro Stumpf

Uma das formas de garantir a valorização dessa produção e contribuir com a missão institucional de produzir e difundir conhecimento, contribuindo com o desenvolvimento regional sustentável e a formação profissional cidadã, foi a criação do ‘Prêmio Produção Acadêmica’, destinado aos trabalhos que foram destaque durante a socialização no VI Seminário Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão da Unochapecó (Siepe). Para se chegar às produções vencedoras, os trabalhos, divididos nas categorias de Ensino, Pesquisa e Extensão, foram apresentados, discutidos e avaliados de forma criteriosa, contando com a participação de avaliadores ad hoc Bolsistas Produtividade Científica do CNPq. Além de receber o troféu e certificado de premiação, os autores das produções de destaque foram agraciados com a oportunidade de publicar o resultado de suas pesquisas e/ou práticas acadêmicas neste livro, o qual se apresenta em formato digital, reunindo uma coletânea de artigos científicos que transparecem a qualidade de produção universitária produzida na Unochapecó e apresentada durante o VI Siepe.

 

Fonte: https://www.unochapeco.edu.br/noticias/novos-titulos-acabam-de-sair-do-forno-na-editora-da-unochapeco.

Veja também

Argos participa da reunião anual da ABEU Sul18/09/18 No dia 19 de setembro de 2018 acontece a reunião anual da Associação Brasileira das Editoras Universitárias (ABEU), regional Sul. Neste ano, o evento vai ocorrer em Curitiba (PR), na Praça Santos Andrade, Auditório da 37ª Semana Literária SESC/XVI Feira do Livro UFPR.A Editora Argos estará presente e vai participar de mesas-redondas, como Direitos......

Voltar para Notícias