Postado em 29 de Agosto de 2019 às 16h20

“O beijo através do atlântico: o lugar do Brasil no panlusitanismo”

Notícias em destaque (318)

Ao lembrar dos acontecimentos do “IV Centenário do Descobrimento do Brasil”, em 1900, onde foi realizada a comemoração do Brasil como um país independente, a obra aborda que o evento foi imerso em concursos de hinos, desfiles militares, cortejos, congressos, banquetes, tudo isso para celebrar o seu descobrimento. Esse festival tinha como significado o crescimento e amadurecimento do país que, com sua herança europeia, estava comemorando sua entrada na civilização.

O livro se realiza através da organização do “V Centenário do Descobrimento do Brasil”, trazendo contribuições que enriquecem debates em torno das relações entre Brasil e Portugal, abordando diferentes tipos de temas, como a língua, a literatura e a história étnica luso-brasileira, entre diversas outras.

Em meio a documentos históricos de arquivos que foram abertos e relidos mais de uma vez, este livro mapeia as razões para a existência da nação brasileira, colocando-a no ideário nacionalista: sentimento de independência, afeição à ordem, civismo e cumprimento de dever moral cristã, caridade, tolerância, honradez, doçura, à procura de um caráter nacional, ou da identidade nacional.

 

Sobre a autora

Maria Bernadete Ramos Flores é professora titular aposentada do Departamento de História da UFSC. Pesquisadora do CNPq 1B. Graduada em História pela Universidade do Vale do Itajaí (1973), mestre em História – UFSC (1979), doutora em História – PUC/SP (1991), com pós-doutorado – Universidade Nova de Lisboa/University of Maryland (1999-2000) e pós-doutorado – IDAES – Universidad de San Martín (2009-2010). Professora visitante na Universidade de Salamanca (2003). Ano Sabático na University of California – Campus Davis (1994). Prêmio Destaque de Pesquisa – Centro de Filosofia e Ciência Humanas (2010). Dedica-se à pesquisa de História e Arte, Modernidade e Estética, Teoria da Imagem e Teoria da História. Atua na Linha de Pesquisa História da Historiografia, Arte, Memória e Patrimônio, do Programa de Pós-Graduação em História da UFSC. Entre diversos artigos e livros publicados, destacam-se as obras “Tecnologia e estética do racismo: ciência e arte na política da beleza” (2007), pela Argos Editora, e “Xul Solar e Ismael Nery entre outros místicos modernos: sobre o revival espiritual” (2017), pela editora Mercado de Letras.

Veja também

“Há uma gota de sangue em cada museu”14/06/16 “Há uma gota de sangue em cada museu” é uma obra escrita pelo professor Mario de Souza Chagas, mestre em Memória Social pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) e doutor em Ciências Sociais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Ele também é poeta e museólogo.Este livro trata do tema museus sob o enfoque da ótica......
“Partidos, eleições e votos”06/11/20 Estamos em período eleitoral, aproveitamos e trouxemos como dica de leitura a obra “Partidos, eleições e votos”, organizada por Monica Hass. O livro tem o objetivo de fazer uma avaliação preliminar a respeito do......

Voltar para Notícias