Postado em 02 de Agosto de 2018 às 16h21

Andrea Daher lança obra “Ora por escrito. A oralidade na ordem da escrita, da retórica à literatura”

Notícias em destaque (318)

Andrea Daher, organizadora da obra “Oral por escrito. A oralidade na ordem da escrita, da retórica à literatura”, receberá homenagem do Programa de Pós-Graduação em História Social, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), durante um evento criado especialmente para o momento e intitulado “Jornada de Estudos sobre oralidade e escrita. Homenagem a Andrea Daher”. Será no dia 7 de agosto, terça-feira, no Salão Nobre do IH-IFCS, Largo de São Francisco, número 1, no Rio de Janeiro (RJ).

O evento está dividido em duas partes: Às 10h acontece a palestra “Uma história das práticas letradas”, com Marcello Moreira (UESB), Hélio de Seixas Guimarães (USP) e André Botelho (PPGSA-UFRJ). No segundo momento, às 14h acontece a palestra “Oralidade e escrita: entre transmissão e transcrição”, com Roger Chartier (Collège de France). Na ocasião, será lançada a obra “Oral por escrito. A oralidade na ordem da escrita, da retórica à literatura”, publicada pela Argos Editora da Unochapecó, com sessão de autógrafos.

Sobre a organizadora

Andrea Daher é professora titular de teoria e metodologia da história no Instituto de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde coordena o Laboratório de pesquisas em história das práticas letradas. É, também, pesquisadora do CNPq.

Sobre a obra

Os textos que compõem esse livro foram escritos a partir do ponto de vista da antropologia, da história e dos estudos literários. Todos têm em comum uma arqueologia de discursos que remove, nos materiais estudados, as camadas de sentido, permitindo com isso imaginar as modalidades históricas de seus usos sucessivos, inclusive os acadêmico-disciplinares. Assim, se vai, de certo modo, na contramão da monumentalização histórico-literária dos discursos, construída no interior de sistemas críticos que só permitem abstrair o caráter de acontecimento do oral, apagando ou tornando por vezes invisíveis suas manifestações ou os seus “índices” aos olhos do leitor do presente.
 

Veja também

O referente errante: The Waste Land e sua Máquina de Teses10/04/18 André Cechinel é professor, tradutor e doutor em literatura. Como tradutor, transpôs para o português autores como James Joyce, Linda Hotcheon e Jodith Butler. Nesta obra, André apresenta sua análise sobre T. S. Eliot.A obra O referente errante: The Waste Land e sua Máquina de Teses foi produzida em parceria com a Editora da Unesc e apresenta a performance de um poema......

Voltar para Notícias