Postado em 17 de Outubro de 2017 às 16h23

Coleção Debates

Notícias em destaque (318)

Essa coleção traz temas que, dentro do cenário nacional, causam debates e opiniões diferentes. As obras vêm com essa premissa de mostrar temas que necessitam de algum tipo de debate e formação própria de opinião, trazendo informações para que as pessoas se situem sobre o tema, através de vários olhares e possibilidades de análise do tema abordado. As obras são compostas tanto por textos de um único autor, quanto por diversos autores em forma de livro organizado.

 

Algumas obras da coleção:

 

Currículo e mídia educativa brasileira: poder, saber e subjetivação

Esta obra tem seu estudo centrado na discussão sobre a produção de práticas, sentidos e estratégias de governo. É um estudo sobre aquilo que é efetivamente enunciado por uma porção dos discursos da mídia educativa brasileira sobre a escola, o currículo e o professor. Marlucy Alves Paraíso concebe o discurso como prática objetivadora e produtora, disposta por técnicas de poder, modos de saber e efeitos de verdade.

 

Dizer o que não se deixa dizer: para uma filosofia da expressão

Revitalizar – esta é a palavra-chave da leitura de “Dizer o que não se deixa dizer”, de Rodrigo Duarte. Dizer o que não se quer dizer, o que não se deve, não se pode, não se permite ou o que não se pensou dizer? No livro é colocado em cena o conceito de expressão.

 

Exercícios críticos: leituras do contemporâneo

Em “Exercícios críticos”, há uma tentativa de aproximar a crítica, literária também, de outros espaços, para além da sala de aula das universidades. Diante deste desafio, o autor coloca outro: o de tornar-se bilíngue em seu próprio idioma; ou, como ele denomina no decorrer de suas discussões, a esquizofrenia produtiva.

 

Literatura do Presente: história e anacronismo dos textos

A obra propõe a leitura da literatura das últimas décadas a partir do modo como recoloca em cena os problemas do conhecimento e da experiência na literatura, reformulados pela modernidade e, num certo sentido, abandonados pelo modernismo. Para isso, Susana Scramim faz a leitura das obras de alguns autores e analisa como eles retomam os arquivos da modernidade e se posicionam diante do tempo, investigando o trânsito de determinada questão de uma obra para outra.

Veja também

Editora Argos conquista o prêmio literário mais importante do país26/01/16 O tão sonhado Jabuti, o prêmio de livros mais tradicional da história brasileira, foi conquistado pela Argos Editora em dezembro de 2015. O livro premiado, “Do mito das Musas à razão das Letras”, do autor Roberto Acízelo de Souza, foi o título destaque da Editora em 2015. Além do Jabuti, conquistou também os prêmios da Academia......
25 de julho, Dia Nacional do Escritor25/07/16 Em 1960, a União Brasileira de Escritores, por meio de seu presidente, João Peregrino Júnior, e pelo seu vice-presidente, o escritor Jorge Amado, instituiu, em 25 de julho, o Dia Nacional do Escritor. A data tem a finalidade de mostrar a......

Voltar para Notícias